O povo nas ruas reinvidica mudanças na estrutura social e política do país.

Informações e opiniões diversas sobre o Equador


Não deixem de dar um olhada na seção que recolhe algumas caricaturas que o dono do pedaço vem realizando esporadicamente e que foram publicadas em diversas publicações.


Não dando o braço a torcer

Esse pessoal que não consegue enxergar as andanças equivocadas do PT pelo poder central, que teima em defender o lulopetismo e atacar tudo que sejam averiguações, denúncias, processos, condenações, pessoas que não comungam da seita, se aliam de um lado, como se fazia nos tempos da guerra fria. Naqueles tempos, em que de um lado estava Estados Unidos e países amigos e satélites, e do outro União Soviética, e idem, idem, países, partidos, grupos e pessoas se fechavam corporativa e politicamente em torno dos seus, fazendo vista grossa a toda e qualquer irregularidade, desde que fosse funcional aos propósitos de se contrapor ao outro lado. Assim, Estados Unidos tinham suas ditaduras amigas e financiadas, como Brasil, Chile e um grande etcétera. O outro lado, idem e idem. Era a geopolítica em seu estado puro e bruto.
Na atualidade, podemos verificar isso na Síria, caída nas malhas da geopolítica internacional, entre os mesmos agentes do passado da guerra fria, Estados Unidos x Russia, herdeira da União Soviética.
Então, o que se vê no Brasil, do lado do lulopetismo e seus satélites, é o equivalente dessa geopolítica, aqui encarnada na medíocre polarização, do "nós contra eles", tudo subsumido na luta entre esquerda e direita, com um fulcro partidário e eleitoral. Isso explica, por exemplo, que "intelectuais" assinem manifestos para preservar seus bandidos de estimação, porque há uma causa por trás, que é a do enfrentamento da direita.
É o popular não dar o braço a torcer.

Jornalismo medíocre

A cobertura da política no país que fazem os blogs chapas-brancas é simplesmente medíocre. Está bem, também somos pela quebra dos monopólios de informação, dessa concentração de meios nas mãos de contadas e poderosas famílias, o bom mesmo é a diversidade e tudo o relacionado, com o que a democracia só tem a ganhar. Mas com essa mediocridade imperante no que seria um jornalismo alternativo temos nossas dúvidas se daremos conta dessa diversidade, ou vamos ter meios à altura dela.
Porque a questão não é simplesmente de ter meios governistas para defender os poderosos de plantão, como no fundo é o que está reclamando essa gente que criou, por exemplo, a sigla do PIG para bater nos meios tradicionais, que por sua vez batem no governo.
A constatação é essa, o jornalismo que faz, digamos, essa imprensa alternativa (que saudades da imprensa alternativa mesmo de tempos atrás!) é de uma mediocridade espantosa! Só sabe defender o governo e empobrecer o debate político.



Notas anteriores >>

É preciso ter controle sobre notícias falsas na internet, afirma estudioso

Luciano Floridi, professor na Universidade de Oxford, prega algum controle sobre as notícias falsas que circulam na internet. Assim como em praça público ou no trânsito não fazemos o que quisermos, na internet também há que ser assim, diz o professor que pesquisa o que chama "filosofia da internet". Entrevista publicada na Folha de S. Paulo.


Nas pegadas de Orwell e Huxley

Inspirado em clássicos, “O doador de memórias” retoma distopia do controle social absoluto. É algo indispensável, em tempos de NSA e internet vigiada. Elenita Malta Pereira, em Outraspalavras.


Silvio Meira: 'Maturidade das redes sociais na eleição é uma incógnita'

Cientista-chefe do Centro de Estudos Avançados do Recife (C.E.S.A.R) fala sobre como a internet poderá ser utilizada nestas eleições

O cientista-chefe do Centro de Estudos Avançados do Recife (C.E.S.A.R),  Silvio Meira, analisa as redes sociais e sua perspectiva de uso na campanha eleitoral deste ano que já começou. Em entrevista ao Correio Braziliense.


A duplicação digital do mundo e os seus riscos

 Eric Sadin, em entrevista divulgada no portal Carta Maior, fala sobre a robotização da vida cotidiana, dos dados pessoais das pessoas em todo o mundo que são armazenados em memórias gigantes e que são usadas para vigilância e segurança.


‘A internet é a mesma revolução da prensa de Gutenberg’

“Nós vivemos hoje sob o impacto da internet na mídia tradicional. Esse impacto é grande sobre todos os meios, mas principalmente os escritos e impressos”, disse o jornalista Ignacio Ramonet, editor do Le Monde Diplomatique (na França e Espanha) desde 1990, que esteve no Brasil recentemente para lançar seu livro “A explosão do jornalismo”.

 


¿Por qué Chomsky desconfía de internet?

El telégrafo y las bibliotecas públicas tuvieron un impacto mucho mayor en las comunicaciones y el acceso a la información que internet. Noam Chomsky, en reportaje de la BBC Mundo.


Vida longa à web

Ela é decisiva não só para a revolução digital, mas para a contínua prosperidade e liberdade individual. Como a democracia, a web deve ser defendida e preservada

A meta da web é servir a humanidade. Devemos construí-la agora de forma que os que vierem mais tarde possam criar coisas que hoje nós mesmos nem imaginamos. Tim Berners-Lee, criador da web, na Scientific American Brasil.


Facebook

Até quando vamos curtir?

O sucesso de uma tecnologia costuma ir além de seus méritos técnicos. Em geral, as empresas mais bem-sucedidas são aquelas que captam uma tendência no ar e, a partir de um aparato tecnológico, conseguem transformá-la em algo concreto. João Luiz Rosa, Guilherme Bryan e Wendel Martins, no jornal Valor Econômico. 


Próxima Última